Bra  Eua  Spa  

Peregrinação - Programação

Home / Peregrinação - Programação

Este ano nossas peregrinações irão contar com o apoio da

gatorade

 

Além disso, vamos carregar uma nova bandeira, em um lugar onde sua escassez pode ser a diferença entre a vida e a morte.

 

logo savethe water

 

Peregrinos, já temos todo o nosso calendário de 2018 pronto, confiram !!!

 

Inscrições abertas !!!

Lembramos que o limite é 35 pessoas por caminhada.

Fazemos pacotes para turmas fechadas !!!

 
 
 

 

 

Algumas informações sobre o Caminhos de Rosa Peregrinação.

 

A caminhada começa em Andrequice, distrito de Três Marias/MG e termina em Cordisburgo/MG, ambas as cidades no Estado de Minas Gerais.

 

Valor da inscrição lhe dará direito a:

 

1. credencial

2. certificado

3. pulseira identificando o peregrino

4. seguro de vida

5. água mineral e isotônico em pó (Gatorade)e frutas a vontade todos os dias durante o percurso

 

 

Itens não inclusos: 

- valor do pernoite incluso o café da manhã: R$ 50,00

- jantar R$ 20,00. Bebida não está incluso.

- o lanche da trilha é por conta do peregrino e deverá ser providenciado na noite anterior ou no café da manhã

-- todos os pagamentos deverão ser feitos em dinheiro diretamente aos donos das pousadas.

- obrigatório levar saco de dormir (sleeping bag)

 

Haverá um segundo carro de apoio para o transporte das mochilas, caso os peregrinos concordem em pagar o valor de R$ 70,00. Este valor é pago a parte.

 

Locais de dormir

Após a efetivação da inscrição todas as reservas nas pousadas são automáticas.

 

Programação 10 dias 

Três Marias local da partida: Hotel, cada peregrino é responsável pela sua estadia. Vamos procurar hotéis parceiros para indicar.

 

Pedras: Todos dormirão na escola. Todo o dinheiro arrecadado com a estadia será doado a caixinha da escola

 

Tolda: Todos dormirão na antiga sede da Fazenda da Tolda.

 

Andrequicé local da partida dos 6 dias: Todos ficarão em casas de pessoas que já estão acostumadas a receber pois no local não existe pousada.

 

Buritizinho: todos dormirão dentro de uma capelinha em colchões infláveis individuais, pois estaremos cravados no  sertão

 

Morro da Garça:  todos ficarão hospedados na Pousada Sol e Lua do Sertão. No dia seguinte a Pousada oferece o café no alto do Morro

da Garça para ver o sol nascer.

 

Fazenda Recanto do Morro:  todos ficarão hospedados na Fazenda. Noite muito especial para todos os peregrinos.

 

 

Curvelo: Todos ficarão hospedados na casa das irmãs Marilza e Marina de tradicional família mineira

 

Fazenda Paulista: na própria fazenda

 

Cordisburgo: todos ficarão hospedados no Hotel Chico Luzia

 

Grande abraço,

 

Monica Otero

Gestora do Caminhos de Rosa

(11) 96375-8846

 

            Enfim, é chegada a hora de mais uma etapa, um passo a mais, a criação de um caminho, uma peregrinação cultural, O Caminho de Rosa.

            Vamos sair de Andrequice, e chegar a Cordisburgo, e pelo caminho de 162 km poderemos contemplar um pouco da obra Roseana, tentar reviver toda aquela maravilha do sertão, suas belezas.

            Com a proposta de um caminho cultural, tivemos uma oportunidade única de unir dois Grandes eventos culturais regionais, a Semana Cultural – Festa do Manuelzão e a Semana Roseana. E afinal o que seriam esses eventos?

 

Semana Cultural – Festa do Manuelzão

            Falar desse evento sem falar quem era Manuelzão, não dá. Terra de Manuel Nardi, ou Manuelzão como é conhecido. Seu primeiro emprego foi como cozinheiro de tropa, fazendo com que adquirisse largo conhecimento do sertão mineiro. Famoso por sua simplicidade, sabedoria e respeito à natureza, Manuel tornou-se figura conhecida no interior de Minas Gerais mesmo depois de aposentado da profissão de vaqueiro.

       Em 1952, ele conheceu o escritor João Guimarães Rosa perto do rio São Francisco, então já consagrado pelo livro Sagarana. Na ocasião, Manuel era capataz das boiadas do fazendeiro Chico Moreira, primo de Guimarães Rosa, e serviu-lhe como guia pelo sertão adentro, para que o escritor anotasse histórias.

       Manuelzão morreu em 1997, aos 92 anos, vítima de uma embolia cerebral. No centro de Andrequicé, lugar onde passou os últimos 20 anos de sua vida, foi erguido um memorial em sua homenagem, com fotos, utensílios, a coleção de canivetes e a sela usada por ele. Também pode ser encontrado um mural bordado que representa a festa de inauguração da capela, construída por Manuel para sua mãe.

       E com o objetivo de preservar, valorizar e compartilhar as tradições sertanejas de Três Marias-MG e região ocorre a Semana Cultural – Festa do Manuelzão, sempre próximo a data de 5 de julho, data de seu aniversario.

 

“A gente na estrada não acostuma com as coisas... Não da tempo...”

Manuelzão

 

Semana Roseana

 

       Guimarães Rosa dispensa muitas apresentações, o fato de ter recebido em 2002 The Guardian, o prêmio dos 100 melhores livros de todos os tempos, com Grande Sertão: Veredas, já fala muito de quem foi ele.

      Semana Roseana, realizada na cidade mineira de Cordisburgo, a pouco mais de uma hora de Belo Horizonte, celebra seu mais ilustre filho: o escritor Guimarães Rosa, autor, entre outros, de livros como Grande Sertão: VeredasSagarana e Corpo de Baile.


       A Semana Roseana reuni pesquisadores e leitores da obra de Guimarães em palestras, feiras, oficinas literárias, teatros, exposições e apresentações folclóricas. Esse ano o evento ocorrera em torno de Sagarana.


       No entanto, a principal atração da Semana Roseana é a Caminhada Eco-Literária, uma travessia por locais em Cordisburgo citados por Guimarães Rosa em sua obra.

 

“O mais importante e bonito do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando.”

Guimarães Rosa

 

 

E o caminho, porque esse caminho?

 

 

            Qualquer lugar por onde passam pessoas, carros, bicicletas, andarilhos, viajantes, ele te leva de algum lugar a outro, para mim isso é um caminho.

            Mas esse foi um caminho que serviu de inspiração para um dos maiores autores brasileiros do mundo moderno. Foi baseado no que viveu enquanto o percorria que ele escreveu o melhor romance brasileiro do século passado.

            Mas que caminho é esse que inspirou um homem, brasileiro, natural de Cordisburgo, a escrever esse livro, que hoje é admirado por pessoas do mundo inteiro?

            Essa é uma historia que começa em 1952, quando Guimarães Rosa, Joãozito, recebeu uma carta de Criolo, pedindo a ele que resolvesse uma papelada de um carro que havia comprado e esta no porto aguardando liberação. Joãozito rapidamente o ajudou, e ainda disse que a seu primo que poderia ficar em sua casa na ocasião de buscar o veiculo no Rio de Janeiro.

            E assim foi, passado alguns dias, desembarca Criolo na antiga capital federal. Depois de conversa pra lá, conversa pra cá, Joãozito lhe pediu um favor:

            “- Criolo, gosto muito do sertão, e escrevo sobre ele, mas me falta viver o sertão, me falta senti-lo, viver como os vaqueiros.”

            Foi então que Criolo disse:

“Olha Joãozito, daqui 40 dias vai sair uma comitiva da Sirga até a Fazenda São Francisco, leva 7 dias, se quiser posso mandar subir com minha mula para você.”

           E assim foi feito, passados alguns dias Guimarães Rosa chegou a Sete Lagoas, na casa de seu primo Criolo, e de lá seguiram de carro até a Sirga, Fazenda próxima a Três Marias, pertinho do Rio São Francisco. Chegaram uns dias antes, para que Joãozito, pudesse se adaptar a rotina de andar a cavalo. Foi nesse momento que ele conheceu uma pessoa que mais tarde seria um grande amigo, Manuelzão. Vaqueiro de poucas palavras e encarregado da Fazenda da Sirga e agora instrutor de lida de Guimarães Rosa.

          Essa adaptação durou 2 dias. E no dia de partir, lá estava Guimarães Rosa, pronto, ansioso, e com sua famosa caderneta dependurada no pescoço, anotando tudo, o que via e ouvia, e quando não entendia, recorria a Manuelzão, aquele mesmo, de poucas palavras.

          Criolo somente foi embora no dia seguinte, receoso, resolveu ir a Andrequice, local onde dormiriam a segunda noite, para ver se Guimarães estava bem. Ele tinha medo de que ele não suportaria. Mas para a sua surpresa, se deparou com um homem feliz da vida, do tipo daqueles que estão realizando um sonho. E que disse ir até o final. E assim foi.

           Terminado a jornada Guimarães foi-se embora e passados alguns anos, em janeiro de 1956 ele lança Corpo de Baile e em maio, Grande Sertão: Veredas. Na época foi alvo de criticas e amores vorazes. Com o sucesso alcançados foi publicado em vários idiomas

 

            O evento       

            A ideia de convidar vocês para essa jornada é simples, Unir varias pessoas e percorrer o Caminho, e assim, com a passagem de vocês, um grupo considerável de pessoas, mostrar para a população local a importância desse caminho para a literatura nacional. Com a passagem de vocês vamos criar a demanda por pousadas, postos de agua pelo caminho, e a necessidade de ter uma estrutura mínima para receber peregrinos, que um dia virão do mundo para percorre-lo, por quê não?

            A data foi escolhida a dedo, pois todo grande caminho de peregrinação tem uma data especial, uma data onde se tem uma programação especial. Como normalmente são peregrinações religiosas, as datas coincidem com datas sagradas a Igreja. Nosso Caminho é cultural, visa resgatar e preservar a cultura e a identidade regional, então nada mais coeso que ter nossa data especial dois grandes eventos onde busca resgatar, valorizar e compartilhar cultura e tradições regional-literaria.            Firmo um compromisso que vou manter esse evento até que o caminho ganhe vida própria. Ou quem sabe, a partir dessa experiência crescer esse evento ?!